SPAC Lions agitou o final de semana

SPAC Lions agitou o final de semana

A vigésima segunda edição do SPAC Lions mal chegou ao fim e já tem gente contando os dias para dezembro de 2015. Por quê? Porque o Lions é o mais tradicional torneio de rugby sevens aqui no Brasil. Este ano, visivelmente mais organizado, contou com aproximadamente 650 atletas, divididos em 40 equipes, em um final de semana de muito rugby.

Quem esteve pela primeira vez nesse campeonato pode notar algumas diferenças. Não existe idade para jogar o SPAC Lions. Maravilha não é mesmo? Desde juvenil até veteranos, é possível ver, nos dois campos de rugby lado a lado, jogos acontecendo simultaneamente. Ora jogo feminino e masculino, ora juvenil e veterano, ora masculino e juvenil e assim por diante.

O SPAC Lions é um torneio que, ao mesmo tempo que algumas equipes se preparam para o BR Sevens, – Campeonato Brasileiro de Rugby Sevens -, que costuma ser na semana seguinte, outras se preparam para ter uma boa diversão e bons momentos com os amigos. É isso, principalmente, que o Lions proporciona a qualquer um que pisar no gramado. Dentro e fora de campo.

Na edição de 2014, o Pasteur masculino saiu vencedor, bem como o Band feminino e o SPAC Juvenil. As três equipes fizeram bons jogos e alcançaram a vitória que, para alguns, não vinha há tempos, como é o exemplo do Pasteur, já que há nove anos não levanta o caneco do Lions.

Mas o que vamos mesmo falar é sobre a grande novidade que esse Lions trouxe. O Keep Walking, tradicional time de veteranos, agora conta com uma versão feminina: o Keep Ladies. Sempre houve especulações se esse time feminino seria formado ou não, mas, até que enfim, o sonho saiu do papel. As respeitadas veteranas, que tanto já contribuíram para o rugby brasileiro, montaram o Keep Ladies e fizeram sua estreia no SPAC Lions. Nada mais justo, já que a primeira Keep Walking feminina, a Diva, foi conhecida pelos moçoilos do time em alguma edição passada desse mesmo torneio.  Como vocês sabem, o bom filho à casa torna.

Keep LadiesA Diva voltou, e voltou muito bem acompanhada. Tendo em seu time ninguém menos que: Cris Futuro (Niterói), Natasha Olsen (SPAC), Preju (SPAC), Val (SPAC), Camilinha (Band), Dani (Desterro), Juju (Desterro), Tida (Desterro), Claudinha (Desterro), Cibele (Guaicurús) e Suelen (Cowboys). Timaço formado por grandes jogadoras que defenderam, algumas ainda defendem, bravamente suas respectivas camisas. Quem teve a chance de vê-las jogando pôde perceber que o tempo não passou tanto assim e que elas passam por cima de muitas novinhas ainda. No primeiro dia de torneio, as Keepers enfrentaram o time da Poli, Band e SPAC. No domingo, jogaram contra SPAC novamente, UNESP e Tijuca. À todas as veteranas do rugby brasileiro, quem ai ainda aguentar seis jogos em um final de semana, pode falar com a Diva e tentar uma seletiva para o Keep Ladies.

Veja todos os times que participaram do XXII SPAC Lions:

Feminino: SPAC A, SPAC B, Keep Ladies, Poli, UNESP, Band Saracens e Tijuca
Juvenil: Niterói, Rugby Para Todos, SPAC A, SPAC B, Rio Rugby, Pasteur, Rio Branco e Guaicurus
Veteranos: Cruzeiro do Sul, Keep Walking, Rio Rugby, Pasteur Allez Guedon, SP Barbarians e Pelicanos Negros
Adulto: São José, SPAC A, SPAC B, Tigres, Conrinthians, Cowboys Rugby, São Carlos, Engenharia Mackenzie, Niterói, Raça Ribeirão, Direito Mackenzie, Pasteur, Rio Rugby, UFF, ATR, Cougars, BHB, Acauã, BC Rugby e Keep Walking.

Para fecharmos o Lions com classe, tivemos uma boa conversa com a precursora do Keep Ladies que nos contou como tudo começou e como o sonho saiu do papel. Veja abaixo!

 

 

Escrito por Amanda Abed

Share this:

Leave a Reply

Imagem CAPTCHA

*